Redes AS-I – Parte II

Continuando a postagem anterior, serão apresentadas nesta postagem mais informações sobre as Redes AS-I e suas aplicações na indústria.

Mestre da rede AS-I

O dispositivo mestre da rede AS-I é aquele que gerencia toda a rede, monitorando os escravos, detectando e interpretando erros. O mestre poderá ser uma placa para PC, um cartão para PLC ou um mini PLC, como os mostrados a seguir:

Figura 1 – Placa Mestre AS-I para PC (Barramento PCI)
(Fabricante: Bihl+Wiedemann )

Figura 2 – Cartão Mestre AS-I para PLC Modicon Premium
(Fabricante: Schneider Electric)
Figura 3 – PLC Master AS-I
(Fabricante: IFM Electronic)

No mestre da rede AS-I fica armazenado o programa aplicativo com a configuração da rede, que é editada com um software de edição das configurações da rede.

Gateways


No mercado existem diversos Gateways para a rede AS-I, que são equipamentos que podem ser aplicados para interligar a rede AS-I em redes de maior porte, tais como Profibus, DeviceNET, Ethernet/IP dentre outras.

Vantagens de aplicação


As redes AS-I possuem vantagens bem interessantes para a sua aplicação na indústria, que abrangem principalmente o custo e simplicidade de instalação. Algumas são mostradas a seguir:

  • Redução nos custos com hardware, pois a rede utiliza somente um cabo.
  • Simplicidade de instalação.
  • Instalação mais segura, pois o número de conexões na rede é reduzido.
  • Baixo custo por escravo na rede.
Limitações
Assim como qualquer outro tipo de rede, existem algumas limitações que devem ser consideradas na etapa de especificação e projeto de algum sistema empregando uma rede AS-I. Algumas limitações são:
  • Limitação de 8 bits por escravo (4 de entrada e 4 de saída).
  • Máximo de 62 escravos para a versão 3.0. Esse número é ainda menor na versão 2.0 (31 escravos).
  • É uma rede do tipo Polling, ou seja, o Mestre solicita/envia dados para cada escravo num intervalo definido na rede, e os escravos são varridos sequenciamente, não permitindo transmissão de dados por evento ou informações de diagnóstico eventuais.
  • Não há tráfego direto de informações entre escravos, somente via mestre.
  • Comprimento máximo da rede de 600 metros, utilizando repetidores e terminador de rede.
Conclusão
 
Neste post foram apresentadas mais informações sobre a rede AS-I e suas particularidades. Caso você queira contribuir com este assunto, fique à vontade para comentar esta postagem ou entre em contato através do formulário de contato.
Um abraço!
Referências
 
– AS-Interface: Members. Acessado em 26 de agosto de 2011. Disponível em: http://www.as-interface.net/Membership/Members
– Lugli, Alexandre Baratella. Redes industriais para automação industrial: AS-I, Profibus e Profinet / Alexandre Baratella Lugli, Max Mauro Dias Santos. — 1 ed. — São Paulo: Érica: 2010.
Anúncios

4 comentários sobre “Redes AS-I – Parte II

  1. É sempre bom está sabendo das novidades, principalmente na área da automação. Por isso acho legal essa iniciativa, de expor informações interessantes. Parabéns.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s